Logo Posto Hoje

INFORMAÇÃO E SERVIÇOS PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

POSTO HOJE É ENVIADA SEMANALMENTE A DIRIGENTES DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS E LOJAS DE CONVENIÊNCIA

26/02/2021

 

Greve dos tanqueiros: alguns postos de BH e região metropolitana já estão sem combustível

 

A greve dos caminhoneiros do transporte de combustíveis em Minas Gerais, conhecidos como tanqueiros, deflagrada nessa quinta-feira (25), já reflete no abastecimento dos postos de combustíveis de Belo Horizonte e região metropolitana. Em alguns deles, há falta de etanol e gasolina. A categoria reivindica a redução de 3% no Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado sobre o óleo diesel. Desde ontem, as bombas de “muitos estabelecimentos estão vazias". É o que diz o presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (SindTaque), Irani Gomes. “Não temos um número, mas muitos postos já estão sem combustível”, disse.

Leia mais em:  https://www.hojeemdia.com.br/horizontes

 

Postos de combustíveis passam a cobrar R$5,49 o litro da gasolina em São Paulo

 

O reajuste nos combustíveis realizado na semana passada afetou diretamente o preço médio da gasolina dos postos localizados no estado de São Paulo. A média ficou em R$ 4,62, sendo possível encontrar o mesmo combustível por até R$ 5,49 na capital. Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis. Segundo José Alberto Gouveia, presidente do Sincopetro (sindicato de revendedores de combustíveis), ainda que os valores pareçam altos, eles tendem a aumentar. Os preços em vigência seriam promocionais. “O reajuste é alto, os postos têm que repassar. Até semana que vem os postos já estarão repassando totalmente”, diz. A alta no valor da gasolina tem sido uma constância no que diz respeito às vendas da Petrobras. Desde janeiro, ocorreu um aumento de 34,7% no valor da gasolina e de 27,2% no diesel. Na semana passada, o reajuste foi de 10,2% e 15,1% para a gasolina e para o diesel, respectivamente.

Leia mais em:  https://fdr.com.br/2021/02/25/postos

 

Postos de combustíveis terão 'dificuldade' de cumprir decreto de Bolsonaro, diz federação

 

A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) afirmou na terça-feira (23) que postos ao redor do país terão dificuldade de cumprir o decreto do presidente Jair Bolsonaro, que obriga a informar a composição do valor cobrado na bomba em painel em local visível. Segundo a federação, os postos compram combustíveis diretamente das distribuidoras, e estas companhias deveriam informar o valor dos tributos federais e estaduais, e suas margens, para que fosse composta corretamente a formação de preço.     "Os postos terão dificuldade para cumprir o decreto porque são substituídos tributariamente. Ou seja, quando o posto recebe a gasolina e o diesel, o imposto já foi recolhido nas etapas anteriores da cadeia", explica a federação. "Nas vendas de gasolina e óleo diesel, a substituição tributária consiste na responsabilidade das refinarias em reter e recolher os impostos incidentes nas operações de venda das distribuidoras", diz a nota. "Já o recolhimento do ICMS sobre o etanol é mais complexo, dividido entre produção e distribuição, e depende se o faturamento é estadual ou interestadual." A regra entrará em vigor em 30 dias. O departamento jurídico da Fecombustíveis diz que está analisando o decreto e, assim que concluir o processo, o setor será informado de como deve proceder.

Leia mais em:  https://g1.globo.com/economia/noticia

 

Combustíveis: Senadores querem ouvir Cade sobre suposto cartel de postos

 

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, aprovou nesta quinta-feira (25) um requerimento para ouvir o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto. A suposta existência de um cartel formado por distribuidoras de combustível será tema de uma audiência pública ainda sem data definida. “A ANP não permite a venda direta entre as refinarias e os postos de combustíveis. Precisamos rever o sistema de distribuição no nosso país. O mercado está privilegiando esse segmento econômico e faz-se necessário alterar essa dinâmica e ampliar a concorrência”, avaliou o senador Otto Alencar (PSD-BA) autor do requerimento. Alencar também assina um projeto de decreto legislativo (PDS 61/2018), que suspende um artigo da Resolução 43, de 2009, da Agência Nacional de Petróleo (ANP). O dispositivo em vigor estabelece que todo combustível deve passar por uma empresa distribuidora antes de chegar às revendedoras.

Leia mais em:  https://economia.ig.com.br/2021-02-25

 

Confira entrevista do presidente do Recap à Rádio CBN sobre o setor de combustíveis

 

Na manhã de 24/02, o presidente do Recap, Flávio Campos, atendeu aos jornalistas Flávio Paradella e André Berenguel em uma entrevista ao vivo no programa CBN Campinas, da Rádio CBN. Na oportunidade, repercutiu diversas questões do setor a fim de esclarecer à sociedade a realidade do mercado de combustíveis. Campos abordou questões tributárias, de competitividade, além de repercutir ações da presidência da república dentro do setor. Para assistir, clique neste link. Fonte: Informativo Recap.

 

Governo do Estado tenta frear novos reajustes nos preços dos combustíveis

 

Os combustíveis fósseis sofreram quatro reajustes anunciados pela Petrobras em 2021. Com isso, o litro da gasolina já é encontrado a R$ 5,49 e o do diesel a R$ 4,28 em Campo Grande. O etanol, mesmo não sendo impactado pela estatal, chega a R$ 4. Com o objetivo de frear novos aumentos, o governo do Estado “congelou” a pauta fiscal dos combustíveis. A pauta fiscal é o preço médio ponderado, definido pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que serve como referência para a base de cálculo da cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis. Hoje, o imposto estadual representa 30% da gasolina, 20% do etanol e 12% do diesel. A articulação foi firmada entre a gestão estadual e o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniências de Mato Grosso do Sul (Sinpetro-MS) e deve garantir economia de R$ 0,15 no preço da gasolina.

Leia mais em:  https://correiodoestado.com.br/economia

 

Dividido, governo estuda fundo para combustíveis

 

O Ministério de Minas e Energia (MME) está atualizando estudos sobre a criação de um fundo para compensar grandes variações no preço de combustíveis. A ideia, já discutida pelos técnicos da pasta entre o fim de 2019 e o início de 2020, é encontrar um mecanismo capaz de amortecer o efeito de altas súbitas do petróleo no mercado internacional sobre os valores da gasolina e do diesel no Brasil. Pela proposta em debate, sempre que o barril do óleo no exterior superar o patamar de referência no Orçamento Geral da União (OGU), o excedente de receitas obtidas com a arrecadação de royalties e participações especiais iria para esse novo fundo. A proposta orçamentária de 2021, ainda em tramitação no Congresso Nacional, prevê uma média de US$ 44,49 para o preço do barril de tipo Brent (referência internacional). Com base nisso e nas atuais estimativas de produção, prevê-se um total de R$ 51,8 bilhões em receitas advindas da exploração de petróleo neste ano.

Leia mais em:  https://www.biodieselbr.com/noticias

 

Bombas de combustíveis terão certificação eletrônica

 

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) informou hoje (22) que está em fase final de implantação do regulamento que prevê a certificação digital das bombas de combustíveis. Com a medida, será possível dificultar fraudes durante o abastecimento de veículos nos postos de combustíveis do país. Segundo o Inmetro, o controle será feito por meio de certificação digital. Um componente instalado na bomba do posto vai checar se a quantidade de energia gerada pela bomba é compatível com o volume de combustível colocado no tanque do veículo. Dessa forma, o motorista poderá verificar, por meio de um aplicativo de celular, se o estabelecimento fraudou a compra. A checagem ocorrerá por assinatura eletrônica. A data para início da instalação do novo equipamento ainda não foi definida. A troca das bombas será feita de forma gradual pelos postos, sendo imediatamente obrigatória somente em caso de fraudes encontradas e na substituição de equipamentos obsoletos. Fonte: Agência Brasil.

 

Americanas e BR Distribuidora fecham parceria de R$ 995 milhões para explorar lojas de conveniência

 

A Lojas Americanas e a BR Distribuidora firmaram uma parceria para exploração do negócio de lojas de pequeno varejo, dentro e fora de postos de combustível, por meio das redes Local e BR Mania. A parceria será efetivada por meio da criação de uma nova sociedade, uma joint venture, cujo capital social será detido pela Americanas e pela BR Distribuidora, ambas com participações de 50%. A informação foi dada por meio de fato relevante publicado pela Lojas Americanas. Para essa parceria, foi considerado um valor de até R$ 995 milhões, que considera o aporte da rede de franquias BR Mania e das lojas Local, além de um desembolso pela Americanas de até R$ 305 milhões. O pagamento seria feito na forma de um aporte na nova empresa de aproximadamente R$ 252 milhões e um pagamento de até R$ 53 milhões de parcela variável à BR Distribuidora, com base em metas de performance. Atualmente, a Americanas conta com 55 lojas de vizinhança no formato Local, com operação própria, e a BR Distribuidora conta com aproximadamente 1.200 lojas no formato BR Mania, operadas por franqueados.

Leia mais em:  https://economia.estadao.com.br/noticias

 

 

 

Coluna Fernando Calmon   Nº 1.138

 

Fernando Calmon é engenheiro e jornalista especializado no setor automobilístico desde 1967, quando produziu e apresentou o programa 'Grand Prix' na TV Tupi, no ar até 1980. Dirigiu a revista AutoEsporte por 12 anos e foi editor de automóveis das revistas O Cruzeiro e Manchete. Entre 1985 e 1994, produziu e apresentou o programa 'Primeira Fila' em cinco redes de TV. A coluna Alta Roda, criada em 1999, é publicada semanalmente na internet. Calmon também atua como consultor em assuntos técnicos e de mercado na área automobilística, e como correspondente para o Mercosul do site inglês just-auto. www.fernandocalmon.com.br.

 

Waze ou Google Maps:
qual o melhor?

 

Os aplicativos de rotas e mapas digitais ajudaram a revolucionar a maneira de como nos deslocamos para qualquer lugar. Mesmo que se trate de um caminho já conhecido, há sempre alternativas para evitar congestionamentos, acidentes de trânsito e interdições temporárias desde que alguém tenha passado antes e sinalizado automaticamente para a comunidade de usuários. Waze foi um dos pioneiros. Fundado em Israel em 2006, alcançou tanto sucesso que o Google o adquiriu em 2013. Atualmente tem versões em 50 idiomas. Estima-se que alcance mais de 130 milhões de usuários por mês no mundo.

 

 

O Google Maps, no entanto, também reúne fãs ardorosos. Os dois aplicativos, apesar de estarem dentro do mesmo grupo, são diferentes e ambos apresentam pontos favoráveis e outros nem tanto. Um dos comparativos mais recentes, postado no começo deste mês pelo site americano Tom’s Guide, fez uma análise bastante apurada. O autor do estudo, Adam Ismail, apontou vantagens e desvantagens de cada um.

 

Google Maps (prós): conjunto extenso de recursos; integração de roteiros a pé ou de carro; horários de transporte público; mais informações sobre locais de origem e destino; mapas off-line; navegação aprimorada com realidade aumentada e outros recursos como indicação de restaurantes.

 

Waze (prós): tráfego informado por usuários de forma automatizada; alertas de perigo e policiamento; redirecionamento constante pode economizar tempo; mapas atualizados por especialistas locais; integração de streaming; modo para motociclistas.

 

Google Maps (contras): número de recursos de certa forma excessivo; nenhum tipo de alerta para o usuário.

 

Waze (contras): anúncios na tela do telefone; poucas informações sobre locais; adequado apenas para veículos; requer conexão de dados ativa.

 

Em resumo, o autor considerou o Google Maps mais indicado para quem usa transporte público, anda a pé, de bicicleta e com dotes de explorador. Quanto ao Waze é melhor no dia a dia, em tráfego urbano.

 

Luís Fernando Carqueijo, especialista em fora de estrada, concorda com as análises. “Conforme citado pelo autor no amplo estudo, é interessante consultar o destino com o Maps e usar a navegação do Waze. Costumo estar com os dois ativos e vou monitorando. Outras vantagens do Waze são indicação de velocidade máxima da via, alerta de radares e de outros problemas enviados pela comunidade, além da rapidez  na modificação de rotas. No Maps, há informações sobre o destino e melhor visualização do mapa.”

 

Waze, no entanto, precisa ser bem ajustado, apesar de enorme massa de informações. Mais de uma vez cheguei ao destino no lado oposto da rua ou avenida separada por faixa contínua ou de forte tráfego contrário. Para resolver isso, é preciso ir em Configurações, Preferências de direção, Navegação e selecionar Evitar conversões difíceis. O percurso pode ficar maior, mas se escapa de multa ou mesmo acidente. Particularmente útil se o motorista desconhece a rota até o destino ou já sabe das dificuldades de conversão.

 

Há também o aplicativo Here que permite baixar mapas para o celular e navegar mesmo sem conexão de dados.

 

ALTA RODA

 

SEGUNDA geração do Mercedes-Benz GLA (primeira chegou ao Brasil em 2014) cresceu, seguindo a tendência mundial. O SUV de entrada da marca ganhou 3 cm no entre-eixos e na largura, além de quase 9 cm na altura para assegurar maior espaço interno. O desenho também foi renovado, embora mantenha a identidade do projeto original. Motor 1,3 turbo, gasolina, entrega 163 cv e 25,5 kgfm. Primeira versão disponível é a 200 AMG Line, por R$ 325.900. Mais de 40% das vendas da M-B aqui no ano passado foram de SUVs.

 

TESLA espera inaugurar sua primeira fábrica europeia em Berlim, capital alemã, em meados deste ano. Produzirá o Model Y, SUV médio-grande de sete lugares. A marca americana pretende aumentar vendas de 2021 em 50% sobre 2020 para 750.000 unidades elétricas em todo o mundo. Presidente da BMW, Oliver Zipse, fez um raro comentário sobre desempenho de outra marca. "Não será fácil para a Tesla continuar nessa velocidade, porque o resto da indústria está avançando muito.”

 

MOTOR 1-litro turbo responde por 75% das vendas do Tracker, SUV compacto da Chevrolet. Vantagem no preço (4 pontos percentuais a menos de IPI) compensa o desempenho menor em relação à versão 1,2-litro turbo. Só em situações pontuais as retomadas são algo mais lentas. Vantagem clara no nível de ruído, vibração e aspereza típico dos motores de três cilindros. Pode parecer pouco, mas os 200 cm³ a menos melhoram a experiência de uso.

 

FUTURO do carro autônomo está intimamente ligado aos pneus. Pirelli afirma que com seu sistema Cyber Tyre os automóveis “sentirão” a estrada. No supercarro McLaren Artura está disponível a primeira versão que, no futuro, será aperfeiçoada. A rede de telefonia celular 5G poderá passar informações instantânea e diretamente para outros veículos no entorno. Vários fabricantes de pneus desenvolvem também recursos similares.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ex