Logo Posto Hoje

INFORMAÇÃO E SERVIÇOS PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

POSTO HOJE É ENVIADA SEMANALMENTE A DIRIGENTES DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS E LOJAS DE CONVENIÊNCIA

13/11/17

 

Petrobras deve reverter prejuízo histórico em lucro de R$ 3 bi - mas outro dado será destaque para o mercado

 

Um dos (sempre) mais esperados de toda a temporada, o resultado da Petrobras (PETR3;PETR4) será revelado na noite desta segunda-feira (13), com teleconferência às 10h30 (horário de Brasília) na próxima quarta-feira. A expectativa é de que os números não seja um grande evento para o mercado, mas alguns indicadores devem ser observados com atenção pelos investidores. Olhando para os números em si, contudo, eles são bastante expressivos. A petroleira, que está na Carteira InfoMoney (confira o último portfólio clicando aqui) deve reverter o terceiro maior prejuízo da sua história, de R$ 16,5 bilhões registrados no terceiro trimestre do ano passado, em lucro de R$ 3,56 bilhões entre julho e setembro deste ano, segundo compilação de analistas consultados pela Bloomberg. Já a receita líquida deve registrar leve baixa, de 2%.

Leia mais em: http://www.infomoney.com.br/blogs/bolsa/o-investidor-de-sucesso/

 

Vendas de etanol em outubro atingem maior volume da safra 2017/18, diz Unica

 

As vendas de etanol pelas usinas e destilarias do centro-sul do Brasil alcançaram 2,46 bilhões de litros em outubro, alta de 15,21 por cento na comparação com igual mês do ano passado, sendo o maior volume mensal da atual safra 2017/18, informou a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica) nesta segunda-feira. A quantidade refere-se ao somatório de vendas para o mercado interno (2,29 bilhões de litros) e para o externo (171,96 milhões de litros). "Esse resultado decorre principalmente da ampliação das vendas de etanol hidratado ao mercado interno. Estas totalizaram 1,50 bilhão de litros, aumento de 21,66 por cento sobre os 1,23 bilhão de litros apurados em outubro de 2016", destacou a Unica. Em relação ao etanol anidro, as vendas ao mercado interno somaram 794,46 milhões de litros em outubro de 2017 (queda de cerca de 4,7 por cento).

Leia mais em: https://www.terra.com.br/economia/vendas-de-etanol-em-outubro-

 

Preço da gasolina sobe e combustível atinge novo recorde, diz ANP

 

O preço médio do litro da gasolina subiu 1,44% na última semana e atingiu 3,938 reais, segundo pesquisa da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). É o maior valor para o combustível registrado neste ano. O levantamento levou em conta os valores cobrados aos consumidores em 3.097 postos pelo país. Em relação às distribuidoras, a Petrobras reajustou o preço da gasolina em 6,70% na última semana, segundo dados divulgados pela empresa. Houve cinco alterações no período, como parte da política adotada pela estatal desde julho, que permite reajustes diários – a alta acumulada é de 26,9%. O preço do combustível nas refinarias é um dos componentes do preço cobrado nos postos, e os estabelecimentos tem liberdade para definir os valores. O etanol também teve alta na última semana, de 2%,  chegando a 2,745 reais por litro. A pesquisa da ANP considerou os preços em 2.724 postos, no caso desse combustível. O maior valor cobrado pelo etanol em 2017  foi de 2,931 reais por litro, em janeiro.

Leia mais em: http://veja.abril.com.br/economia/preco-da-gasolina-sobe-e-combus

 

Governo antecipa maior mistura de biodiesel no diesel para 2018

 

O governo federal decidiu, quinta-feira, antecipar para 1º de março do ano que vem o aumento no percentual da mistura de biodiesel no diesel dos atuais 8% para 10%. A perspectiva anterior era que o chamado B-10 entrasse em vigor em março de 2019. A decisão foi ratificada em reunião extraordinária do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). A medida deve beneficiar especialmente a indústria de soja, que responde pela maior parte da matéria-prima utilizada para a fabricação de biodiesel no Brasil, com uma participação entre 75% e 80%. A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) calcula que a produção de biodiesel do Brasil deverá aumentar para 5,5 bilhões de litros em 2018, ante os 4,2 bilhões de litros esperados para 2017, com a medida do governo.

Leia mais em: https://extra.globo.com/noticias/economia/governo-antecipa-maior-

 

Temer nomeia Dirceu Amorelli diretor da ANP

 

O presidente Michel Temer nomeou nesta sexta-feira (10/11) Dirceu Amorelli como diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Amorelli é o quarto diretor nomeado por Temer para a agência e teve seu nome sabatinado e aprovado pelo Senado Federal na última terça-feira. Amorelli é graduado em Engenharia Industrial Mecânica pelo Cefet/RJ, com especializações em Finanças, Matemática, Regulação e Engenharia de Petróleo, mestrado em Ciências Econômicas pelo Ibmec e doutorado em Planejamento Energético pela UFRJ. Servidor concursado da ANP desde 2005, exerceu na agência os cargos de assessor de diretoria, superintendente de Abastecimento e de Dados Técnicos e superintendente adjunto de Desenvolvimento e Produção. Ocupava a superintendência de Exploração.

Leia mais em: http://epbr.com.br/temer-nomeia-dirceu-amorelli-diretor-da-anp/

 

Maiores receitas da Ipiranga fazem lucro da Ultrapar crescer 46% no 3º tri

 

O grupo Ultrapar teve alta de 46 por cento no lucro líquido do terceiro trimestre, apoiada no crescimento das receitas de suas maiores divisões de negócios, a rede de postos Ipiranga e a fabricante de produtos químicos Oxiteno. A companhia, que teve rejeitada em agosto pelo Cade a compra da Alesat pela Ipiranga, reportou lucro de 556 milhões de reais no trimestre, também alta de 125 por cento ante o segundo trimestre. A receita líquida do grupo somou 20,5 bilhões de reais entre julho e setembro, aumento de 6 por cento contra um ano antes. A Ipiranga, que responde por cerca de 85 por cento do total, teve receita líquida 6 por cento maior na comparação anual, principalmente em função das movimentações nos custos dos combustíveis, incluindo o aumento do PIS/Cofins em julho e do maior volume vendido. "Após sete trimestres consecutivos de queda de volume na comparação anual, a Ipiranga apresentou crescimento no volume de vendas", comentou a empresa no relatório de resultados.

Leia mais em: https://extra.globo.com/noticias/economia/maiores-receitas-da-ipira

 

ALTA RODA

Fernando Calmon

 

Fernando Calmon é engenheiro e jornalista especializado no setor automobilístico desde 1967, quando produziu e apresentou o programa 'Grand Prix' na TV Tupi, no ar até 1980. Dirigiu a revista AutoEsporte por 12 anos e foi editor de automóveis das revistas O Cruzeiro e Manchete. Entre 1985 e 1994, produziu e apresentou o programa 'Primeira Fila' em cinco redes de TV. A coluna Alta Roda, criada em 1999, é publicada semanalmente na internet. Calmon também atua como consultor em assuntos técnicos e de mercado na área automobilística, e como correspondente para o Mercosul do site inglês just-auto. E-mail: fernando@calmon.jor.br e www.twitter.com/fernandocalmon

 

Criatividade ao ousar

 

Aberto ao público no sábado passado, o Salão do Automóvel de Tóquio, organizado a cada dois anos, é uma exposição curta (termina no próximo dia 5) e predominantemente voltada ao próprio mercado. No entanto, tecnologias do momento que incluem carros autônomos, híbridos e elétricos são motivos de desafios que a engenharia local adora enfrentar. Considerando a chamada inteligência artificial (IA) fundamental daqui para frente, as marcas japonesas – aliás, em pleno processo de consolidação, pois não há futuro para nove fabricantes – têm muito a contribuir.

 

Como maior fabricante do país, a Toyota tinha muitas atrações, a principal o carro-conceito Fine-Comfort Ride. Segue a diretriz do governo nipônico que prefere veículos elétricos movidos por pilha a gás hidrogênio, no lugar de baterias. Sua autonomia chega a 1.000 km, maior portanto que a do Mirai hoje à venda. Há alguns exageros como o estranho Tj Cruiser, um crossover conceitual misto de van e SUV.

 

Descrição: C:\Users\Zema\AppData\Local\Microsoft\Windows\Temporary Internet Files\Content.Word\Salão Tóquio.jpg

 

A Toyota surpreendeu ao anunciar no salão que não pretende importar ou fabricar aqui o crossover médio C-HR (porte do RAV4). Talvez tenha considerado as linhas ousadas demais para sua imagem mais contida no Brasil. Porém, acenou com um modelo de sua subsidiária Daihatsu, o DN Trec, de fato bem interessante e de tamanho menor. “Está em estudos”, admitiu Steve St. Angelo, presidente para América Latina.

 

Quatro modelos conceituais, todos elétricos, foram apresentados pela Honda. O mais interessante, Neu-V, aprende as preferências e humor do motorista graças à IA. Aproveitou para lançar o novo CR-V híbrido e confirmar que importará do Canadá, em meados de 2018, o excitante cupê Civic Si com motor 1,5-L, turbo de 208 cv e câmbio manual. A marca anunciou que dois terços de suas vendas em 2030 serão de elétricos ou híbridos, sem informar como se dividirá a preferência dos consumidores entre as duas ofertas. Há razões para híbridos predominarem, sem descartar um gerador a combustão para carregar baterias em tração puramente elétrica.

 

Nissan, por sua vez, acertou ao redesenhar o Leaf, primeiro elétrico a tentar um espaço no mercado mundial. Confirmou que vai importá-lo para o Brasil em 2019. Agora tem estilo palatável e capacidade de ser controlado com apenas um pedal para acelerar e frear (pedal de freio continua para casos extremos). A fábrica acredita que por volta de 2025 será possível um automóvel elétrico ter o mesmo preço de um convencional, mas não disse se com ou sem subsídio governamental. Um dos protótipos mais interessantes em exibição é justamente o IM-x, que integra seu conceito de mobilidade inteligente. Entre os convencionais confirmou a volta X-Trail ao País, um SUV médio que faz falta à marca.

 

Como todas as edições do salão japonês, há projetos sobre o inusitado. Destaque desta edição é o Flesby 2, monoposto diferente com grandes almofadas externas que o protegem em pequenas colisões e minimiza ferimentos em caso de atropelamento.

 

Carros convencionais também atraem visitantes. O Mazda Vision Coupe Concept antecipa como poderia ser um topo de linha de um fabricante pequeno, em busca de sobreviver. Para muitos, o modelo mais bonito em exibição.

RODA VIVA

 

QUANDO chegar ao Brasil, em meados de 2019, primeira picape Mercedes-Benz Classe X vai impressionar pelo requinte de acabamento e alto nível de isolamento acústico. Será produzida na Argentina (compartilha chassi e carroceria com Nissan Frontier e Renault Alaskan) com o mesmo motor diesel. Mas a topo de gama terá um V-6, 258 cv, 56 kgfm, da própria Mercedes.

 

PROGRAMA Brasileiro de Etiquetagem Veicular trará novidades a partir de janeiro de 2018. Considerado como certo mais um aperto para reduzir consumo de combustível (etanol e gasolina), política que deu ótimos resultados até agora com prazos factíveis. Também haverá nova metodologia de cálculo de consumo e duas novas categorias se somarão às 14 atuais.

 

HATCH de teto alto, JAC T40 é crossover com surpreendente evolução em estilo por preço muito bom. A marca chinesa explorou materiais mais nobres e melhorou acabamento. Espaço interno e visibilidade (inclusive espelhos) destacam-se. Motor 1,5 L, flex, 125 cv, poderia ter mais potência. A melhorar: sensibilidade da direção e suspensão menos ruidosa em desníveis.

 

PERÍODO mínimo de suspensão da carteira de habilitação sobe de um para seis meses a partir do dia primeiro deste mês. Penalidade se aplica para quem acumula 20 ou mais pontos por infrações cometidas em 12 meses. Por outro lado, códigos e nomes de agentes de trânsito responsáveis por autuações estarão disponíveis na internet. Decisão (correta) é do Contran.

 

BASF desenvolveu tintas automobilísticas de cores escuras que mantêm a temperatura como se fossem claras. Para o Brasil faz todo o sentido. A empresa oferece no mundo paleta de 2.300 tonalidades. Dois terços da produção usam variações de apenas três cores básicas: preto, cinza e branco. No terço restante, destacam-se azul e vermelho.

Ex